Arquitetura grega: o que é, origem, história e características

Quando pensamos na cultura e arquitetura grega, logo nos vêm à cabeça grandes templos e construções clássicas, como o Parthenon e o templo de Zeus, localizados na cidade grega de Atenas. A arquitetura desenvolvida na Grécia Antiga teve a sua origem no século VIII a.C. e os séculos que marcam o seu apogeu vão de VII a.C. ao século IV a.C.

Sem dúvidas, a arquitetura grega é uma das mais importantes do mundo, pois, até os dias de hoje, inspira projetos e padrões estéticos baseados em suas principais características.

As grandes construções da arquitetura grega tinham como maior objetivo a celebração dos deuses dessa cultura, pois acreditava-se que a humanidade se aproximava das divindades ao construir obras grandiosas e perfeitas. Os templos, praças e anfiteatros imponentes eram construídos para servir como local de realização de celebrações civis, eventos esportivos, culturais e religiosos.

A arquitetura grega possui características únicas e inovadoras e uma história que tem forte relação com a sociedade, cultura e religião da Grécia Antiga. Siga a leitura para conhecer mais sobre a origem, história e principais características da arquitetura grega!

Um pouco de história: os três períodos da arquitetura grega

A arquitetura, na Grécia Antiga, teve seu início no século VIII a.C. e não limitou-se ao território que hoje conhecemos como Grécia, mas, também, espalhou-se para as regiões das colônias gregas nas ilhas do Mar Egeu, no Peloponeso; na costa da Ásia Menor, em Ionia, e nas colônias gregas na Itália e Sicília, região denominada Magna Grécia.

A história da arquitetura grega pode ser dividida em três períodos que se estendem até o primeiro século da Era Cristã:

  • Período Arcaico: o período inicial da história da arquitetura grega vai do século VIII a.C. ao século V a.C. e está marcado pelas primeiras construções arquitetônicas. Estas ainda sofriam muita influência estética dos povos egípcios.
  • Período Clássico: fase de apogeu da arquitetura da Grécia Antiga, na qual foram erguidas as principais construções e desenvolvidas as técnicas que, até hoje, inspiram arquitetos pelo mundo. O Período Clássico estende-se do século V a.C. ao século IV a.C.
  • Período Helenístico: teve seu início no século III a.C. e durou até o início da Era Cristã. Durante o Período Helenístico, a política de expansão do imperador Alexandre “O Grande”, ou Alexandre Magno, contribuiu para a disseminação da cultura e arquitetura grega para o Egito, Pérsia, Índia e, consequentemente, para o resto do mundo. A política expansionista de Alexandre “O Grande” também causou diversas transformações e miscigenação cultural e artística na Grécia Antiga.

A importância da religião e do ideal político para a arquitetura grega

Cada um desses períodos da história da arquitetura grega é marcado por aspectos sociais, econômicos e culturais que influenciam diretamente a forma como a arquitetura era desenvolvida. Entretanto, algo que se manteve constante desde o período Arcaico, até o final do período Helenístico foi a relação das construções gregas com a mitologia e a religião.

É importante ressaltar que as construções gregas mais importantes sempre têm um caráter de uso público, ou seja, têm como função sediar e servir de espaço para eventos da vida social. Os templos, praças e anfiteatros gregos eram palco de celebrações variadas para a sociedade da época.

As residências particulares não tinham as mesmas características arquitetônicas e, muito menos, buscavam a mesma grandiosidade. Pelo contrário, as habitações gregas eram simples, funcionais e não possuíam qualquer luxo ou intenção de ostentação.

Vale lembrar que a Grécia Antiga é tida como o berço da democracia da sociedade ocidental. Portanto, muitos pontos que definem os aspectos gerais da arquitetura desse povo têm forte relação com essa filosofia e ideal político. Muitos dos espaços, como as praças públicas e os anfiteatros gregos eram utilizados para as discussões políticas que são a base da democracia grega.

A maior parte das grandes obras da arquitetura grega têm relação com celebrações religiosas. Através da construção de templos imponentes, os gregos buscavam homenagear e honrar as suas divindades. As estruturas grandiosas tinham como objetivos buscar uma aproximação dos homens com os deuses e servir como uma espécie de lar para essas entidades na Terra.

A busca pela superação através da arquitetura grega

Além da busca por celebrar as suas divindades, a sociedade da Grécia Antiga buscava, com as suas obras arquitetônicas, superar aquilo que já havia sido feito e, dessa maneira, acreditavam que atingiriam uma maior aproximação com os deuses de sua mitologia.

Por esta razão, muitas das características da arquitetura e da arte gregas baseiam-se na proporcionalidade, perspectiva, simetria e em um ideal de beleza que acreditava-se ser perfeito. Assim, os arquitetos gregos utilizavam-se da matemática e das noções de geometria e escala para criarem obras incríveis que, até hoje, seguem surpreendendo a todos.

Quais são as características mais marcantes da arquitetura grega?

A arquitetura da Grécia Antiga possui diversos elementos que a caracterizam e a tornam única e inovadora para a época. Agora, iremos conhecer um pouco de todos eles e entender como cada característica se relaciona aos ideais de superação e homenagem aos deuses, aspectos que motivavam as grandes obras arquitetônicas desse povo.

O principal material utilizado nas construções da arquitetura grega era o mármore. Esta rocha está presente em todas as obras mais clássicas e imponentes, como os templos que compõe a Acrópole, o Templo de Hera, o Grande Teatro de Epidauro, o Templo de Efesto e outras obras magníficas que, ainda nos dias de hoje, atraem turistas e estudiosos da arte e arquitetura.

Além do mármore, eram utilizados madeira e alabastro, bem como argila para a produção de tijolos para a construção de estruturas menos grandiosas. O uso da matemática e das técnicas de manipulação do mármore pelos gregos garante que tantas de suas construções ainda estejam em pé, mesmo após séculos de sua construção.

Outras características importantíssimas da arquitetura grega são:

  • Valorização do belo e de um padrão estético considerado perfeito;
  • Uso da geometria para atribuir proporção, perspectiva e simetria às construções;
  • Precisão e equilíbrio rigorosos nas formas;
  • Construções públicas;
  • Uso de colunas e pórticos na maioria das construções;
  • Obras imponentes e monumentais.

Os três estilos da arquitetura grega

Embora as características gerais das construções gregas sejam muito semelhantes, nem todas elas têm o mesmo estilo. Podemos dividir as obras da Grécia Antiga em três diferentes estilos, baseados, principalmente, no tipo de coluna utilizado para as construções e em sua ornamentação. A seguir, você conhecerá um pouco sobre cada um dos estilos da arquitetura grega.

Estilo Dórico

Este estilo teve origem na Grécia Continental e expandiu-se pela Itália. A estética do estilo dórico é marcada pelos poucos detalhes de ornamentação nas colunas, o que configura um estilo mais simples e que dá a impressão de firmeza para a estrutura. As colunas dóricas são caneladas e não possuem base.

A obra dórica mais importante é o Parthenon, monumento também tido como a principal construção da Grécia Antiga. Esse templo foi construído na cidade de Atenas como homenagem à deusa Atena.

Estilo Jônico

O estilo jônico desenvolveu-se paralelamente ao dórico, porém teve maior influência nas obras das cidades gregas nas ilhas do Mar Egeu, Ionia e na Ásia Menor. As colunas jônicas possuem base circular e acabamento detalhado e elaborado em toda a sua extensão. Os desenhos minuciosos desse estilo transmitem leveza para as construções.

O exemplo mais conhecido de obra jônica é o templo Erecteion, construído entre os anos de 421 a 406 a.C. e também é localizado em Atenas.

Estilo Coríntio

O estilo coríntio apresenta muitas semelhanças com o estilo jônico, porém, é ainda mais detalhado e exuberante. As colunas possuem detalhes e ornamentação extremamente minuciosa, muitas vezes com a presença de folhagens talhadas no mármore.

Embora tenha tido origem na Grécia, a estética coríntia foi mais utilizada pelos romanos, que se apropriaram do estilo na época de ascensão do Império Romano. Porém, pode-se observar elementos coríntios no templo de Zeus, em Olímpia, e no Monumento Choragico de Lysicrates.

O que é a Acrópole de Atenas?

A Acrópole de Atenas é um complexo de obras arquitetônicas construídas, em sua maior parte, durante o século V a.C.

A Acrópole é localizada no ponto mais alto da cidade, 156 metros acima dela e, com isso, acreditava-se que era o local mais próximo dos deuses e mais seguro contra ataques militares à Atenas.

A Acrópole abriga templos, anfiteatros e estádios e servia como principal local de culto aos deuses, discussões políticas, eventos esportivos e sociais realizados na capital da Grécia. Hoje em dia, é um local visitado por turistas do mundo inteiro por sua beleza e riqueza histórica.